Envios em 24-48 horas e GRÁTIS para encomendas superiores a 29€

Carrinho de Compras

O seu carrinho está vazio

Continuar a Comprar

Introdução:

A SPC tem um forte compromisso com a reutilização. Por este motivo, a equipa técnica direciona todos os seus esforços a alargar, com garantias, a vida útil dos dispositivos eletrónicos, por saberem que é o elemento crucial para reduzir significativamente o impacto ambiental da indústria tecnológica.

O principal objetivo que guia todos os passos do SAT é reparar o máximo possível e recorrer à reciclagem como última opção.

Um exemplo deste compromisso é que todos os orçamentos enviados ao cliente para reparar produtos que já não estão na garantia ou que não são abrangidos por ela devido a mau uso, procuram o mínimo desembolso económico para o utilizador.

Os orçamentos ajustam-se ao máximo para que a reparação seja uma solução realmente acessível para o utilizador. Desta forma, facilita-se a opção por dar uma segunda oportunidade ao dispositivo e descartar a substituição deste por outro novo. Ou seja, o fator económico não deve ser uma justificação.

Felizmente, a consciência ambiental do utilizador é cada vez maior, o que unido ao nosso firme propósito e vontade de reduzir ao máximo a pegada da nossa atividade faz com que a maioria de propostas de reparação sejam aceites.

 

Processo de reciclagem quando o dispositivo precisa de ser reparado:

Após a análise exaustiva e a avaliação de soluções, caso se determine que o processo de reparação do aparelho implica a substituição de um componente, o componente substituído é reciclado.

Caso se conclua que um equipamento sofre de uma avaria grave, ao ponto de uma reparação com garantias não ser viável, procede-se ao desmantelamento e à reciclagem dos seus componentes.

Envia-se, então, a FAUXPUVER S.L., empresa especializada na reparação e no tratamento de aparelhos elétricos de uso doméstico, onde se desmontam os equipamentos e classificam-se os componentes em função da natureza e do processo de reciclagem seguro: pilhas, baterias, ecrãs, plásticos, placa base, cabos...

Assim que este processo é realizado, quando se armazena um elevado número de materiais de componentes, são movidos para Residuos electrónicos S.L., empresa autorizada para a gestão de resíduos onde se procede, primeiramente, a uma segunda depuração de componentes (FAUXPUVER realiza a primeira) e posteriormente à reciclagem.

Esta dupla depuração contribui para a redução dos erros no processo e para garantir a reciclagem com o menor impacto e máximo aproveitamento dos recursos.

Cabe destacar que a entrega de material a esta gestora (Residuos electrónicos S.L) não é realizada periodicamente ou de maneira programada, mas ocorre quando há um elevado volume de material, ao ponto de encher um reboque com pelo menos 40 paletes a bordo. A otimização do processo desde o transporte contribui para a redução da pegada que a mobilidade deixa, por isso descartamos outra forma que não seja o envio por razões de volume.

O SAT central da SPC, situado em Briviesca (Burgos) também se ocupa da recolha destes resíduos dos serviços técnicos autorizados.

Processo de reciclagem quando o dispositivo vem de uma devolução:

Os produtos que se devolvem devem ser artigos que passaram pouco tempo em uso. São, na maioria dos casos, artigos que foram testados durante um breve período, não cumpriram as expectativas e retornam à origem.

Portanto, há uma alta probabilidade que o dispositivo tenha um funcionamento correto, mantenha um grau estético adequado e seja possível o seu reaproveitamento como produto recondicionado.

Se, pelo contrário, o produto tiver um defeito importante e se tornar inútil, repete-se o processo especificado no ponto anterior.

português (Portugal)