Envio express | GRÁTIS para encomendas superiores a 29€

Carrinho de Compras

O seu carrinho está vazio

Continuar a Comprar

Lightyear, o novo filme Pixar/Disney, contra as leis anti-LGBTBI

Não é a primeira vez que um filme da Disney foi mergulhado numa controvérsia retrógrada sobre o género dos seus personagens. Mas o que é novo para a grande empresa de entretenimento infantil e juvenil é ter de lidar com a proibição de 14 países (por enquanto) de mostrar um dos seus grandes blockbusters nas suas salas de cinema: Ano-luz. Em Espanha foi lançado a 17 de Junho sem grande significado.

Parece algo de outro século pensar que, porque duas personagens de desenhos animados do mesmo género se beijam, as leis de um país podem censurar a exibição de um filme para crianças. Mas foi precisamente isso que aconteceu em 14 países do Médio Oriente e da Ásia com o último sucesso de bilheteira da Pixar, propriedade da Disney.

A prequela de Toy Story, Lightyear, não será divulgada em países como a Arábia Saudita, os Emirados Árabes Unidos, o Kuwait e a Malásia. Tudo por causa da cena em que Alisha, uma das personagens principais do filme, dá um beijo na boca à sua mulher, com quem também tem um filho. Esta cena, carregada, por outro lado, de sentimentalismo e afecto, transformou a Disney num porta-estandarte na luta anti-LGBTBI

A isto junta-se a controversa lei anti-direitos na Florida, um estado onde a Disney possui nada menos do que seis parques temáticos. Esta medida, popularmente conhecida como "Don't say gay", apoiada pelos Republicanos, proíbe o ensino de jovens estudantes sobre género e homossexualidade nas escolas.

Neste contexto e com todas estas pedras que estavam a bloquear o caminho para o lançamento do Lightyear nos EUA e em muitos outros países, o gigante do entretenimento aceitou a censura e removeu a sequência do filme, o que causou sério desconforto entre os empregados da Pixar. Finalmente, após pressão do pessoal, a direcção da Disney incluiu toda a sequência de volta no filme.

O mesmo destino parece provável na China, o país mais rigoroso em termos de conformidade audiovisual. Embora, após a crise causada por este filme nos Estados Unidos, não é muito provável que a Disney ceda aos censores chineses.

O Peru também teve um período sensível no que diz respeito à libertação da Lightyear. O país emitiu um aviso nos cinemas alertando para "cenas com ideologia de género", que mais tarde foram forçados a rectificar e a retirar.

Uma boa promoção do filme noutros países? Contudo, as primeiras semanas de lançamento do filme que conta a verdadeira história de Lightyear, o herói que inspirou o criador do brinquedo, podem evoluir, este é o primeiro filme que o estúdio de animação está a lançar nas salas de cinema após os dois anos de pandemia. Com este novo trabalho animado da saga que começou há quase 3 décadas, a Disney irá medir a resposta do público após estes meses de restrições e medidas de distanciamento social.

Pode ver o trailer no seu tablet se quiser ver mais de perto a história antes de ir ao cinema.

português (Portugal)